Métodos de Estudo

Uma das grandes preocupações dos pais nos dias de hoje é a falta de metodologia dos filhos quer em termos de organização das tarefas da escola, quer do próprio estudo.

A verdade é que a grande maioria das escolas exige mas não dá as ferramentas para que tenham o maior aproveitamento possível. Vemos muitas das vezes um acompanhamento presente durante o 1º ciclo e quando chegam ao 5º ano e lhes falta

essa “muleta” sentem-se perdidos, com as consequências que daí advém: falta de motivação, desinteresse, resultados aquém das expectativas.

Esta realidade acontece porque infelizmente em vez de lhes passarmos técnicas e metodologias, vamos fazendo por eles, quer em casa, quer até na escola. Ou porque é mais rápido e mais simples, a curto prazo, quer por falta até de conhecimento dessas ferramentas e por isso acabamos por transmitir da mesma forma que sempre fizemos e sabemos. Os resultados que obtemos são crianças dependentes, sem autonomia ou iniciativa, sem conseguirem imaginar que pode haver várias maneiras de abordar a mesma questão o que traz a desmotivação e desinteresse pela escola.

Primeiro acho fundamental não distinguir entre trabalho e prazer e sim agregar, parece-lhe estranho? Pode ser tão simples como perguntar aos nossos filhos / alunos de que forma podem fazer os trabalhos de forma divertida? Como gostariam de os fazer?

E nós? Como podemos tornar o nosso trabalho prazeroso? Os trabalhos não precisam de ser pesados e penosos e sim uma fonte de prazer que nos leve ao gosto pela aprendizagem.

Depois é importante perceber de que forma os nossos filhos absorvem conhecimento, através de simples sinais:

Será que é uma criança que precisa de estar sempre a movimentar-se? Estar sentado é uma tortura? Talvez estudar em pé, escrevendo num quadro, ou por períodos mais pequenos com pausas a intercalar possa ser uma hipótese.

Ou será que está sempre a cantar ou a falar pelos cotovelos? Quem sabe dizer alto a matéria como se estivesse a dar uma aula, ou estudar com música possa ajudar.

Ou por outro lado é aquela criança que se distrai com tudo e tem uma grande imaginação? Nada como estudar através de imagens ou fazer desenhos para ajudar na concentração.

Também nós pais e professores podemos mudar o nosso olhar e em vez de vermos como fraquezas ou problemas, potenciar aquilo que eles têm como apetência e naturalmente lhes é mais fácil e desenvolver para que se tornem forças mas usadas de forma intencional.

Podemos então, de forma prática, auxiliar com várias metodologias de estudo, não as colocar como algo imposto e sim como opções que podem escolher.

Felizmente já há muita informação à nossa disposição, apenas a título de exemplo deixar-vos as mais importantes que podem explorar e começar a aplicar desde já:

  • Técnica do Pomodoro
  • Lista de tarefas com priorização
  • Planeamento do dia seguinte
  • Picture Walk
  • Recall
  • Flash Cards
  • Mind Maps
  • Entre outras.

Ninguém sabe à partida a forma mais efetiva de estudo, sem experimentar várias técnicas, e por isso nós pais e professores temos a função de lhes mostrar o que existe, permitir que explorem e encontrem por tentativa e erro o que melhor encaixa naquele momento para o seu perfil.

Lembrem-se a escola não precisa de ser uma “seca”, afinal passam lá a maior parte do dia, vamos aproveitar ao máximo?!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.