A importância da individualidade

No mundo global como o de hoje, em que tantas vezes generalizamos as nossas ideias e rotulamos as pessoas pelas aparências, grupos a que pertencem ou ideias que defendem com todas as consequências que isso acarreta, torna-se urgente respeitar a individualidade de cada um,

a começar pela nossa própria individualidade.

Esse respeito demonstra-se quando valorizamos a diferença, quando temos consciência que é na diversidade de forças, habilidades e pensamentos que surge a riqueza. Quando somos capazes de utilizar o que nos distingue da melhor forma e em prol de um bem maior. Pois dessa forma estamos a ensinar pelo exemplo!

O respeito e a valorização é algo fundamental a semear em cada criança e podemos fazê-lo em pequenas coisas do dia-a-dia que a vão ensinando que nunca deverá esperar menos do que isso.

Uma das situações que eu vejo como mais difícil, quer por experiência própria, quer pelo que os pais me trazem nas sessões, é o olhar para os nossos filhos como seres únicos que estão a construir a sua própria história, sem traços predestinados ou características imutáveis. Quantas vezes já não dissemos, ou ouvimos:

“Eu também era assim introvertida”

“Já a tua mãe era igual, não comia nada”

“É igual a mim, ainda hoje sou muito insegura”

“Tem a quem sair, o pai também era assim quando era pequeno, não parava quieto”

São frases inofensivas mas que carregam o peso de algo que não é dos nossos filhos e sim nosso, e que de alguma forma, pode ser percecionado como um rótulo sobre o qual não há nada a fazer, que não têm a capacidade de mudar.

Outra situação também muito frequente, é querer que eles se distingam em tudo, vão da matemática ao futebol, passando pelo português e o violino sendo exemplares, independentemente do grau de esforço ou vontade. Quando o importante é o nosso olhar atento para perceber o que lhes é mais natural, o que os motiva para assim podermos alavancar as outras áreas com muito menos esforço e distinguirem-se naquilo que lhes dá real prazer e sentido de realização.

Por isso é tão importante libertar os nossos filhos das nossas dúvidas, inseguranças e sim permitirmo-nos a ter um olhar único, um olhar que procura o seu melhor, que distingue as suas forças como se de uma impressão digital se tratasse, valorizando e potencializando essas qualidades, para que se tornem na sua melhor versão, respeitando-se e respeitando os outros pelo de único que cada um tem.